IMG_5416 Relatos Formativos

Espaço interno e externo é tema central do 2º encontro dos Comitês Multidisciplinares

Com foco no currículo para o espaçotempo interno e externo, o 2º encontro dos Comitês Multidisciplinares, realizado durante o mês de outubro, trouxe reflexões sobre as múltiplas linguagens das crianças nos espaços educativos e temas transversais da educação. Estes conceitos trazem a perspectiva de que o mundo pode ser compreendido pelas crianças de diferentes maneiras e que os conhecimentos teoricamente sistematizados devem sempre dialogar com a realidade vivenciada pelos educandos.

“A linguagem da arte, da música e do movimento são conteúdos que devem ser materializados em todos os ambientes da escola. As linguagens são essenciais para qualificar as aprendizagens, e devem estar expressadas nos componentes de cada ambiente da escola, sendo representadas das paredes aos mobiliários e materiais pedagógicos. Em uma perspectiva de qualidade da permanência dos educandos, não se justifica espaços sem tais elementos”, afirma Sheila Pomilho, coordenadora do Projeto Territoriar.

Sob uma perspectiva histórica, o encontro resgatou as formas de organização dos espaços escolares, construídos a partir dos modelos de penitenciárias e manicômios do século XIX, para controlar e vigiar os educandos, desconsiderando o papel social destes sujeitos no processo de aprendizagem. Diferente desta perspectiva, no livro “Sabores, cores, sons, aromas: a construção do espaço na educação infantil”, da autora Maria da Graça Souza Horn, “é no espaço físico que a criança consegue estabelecer relações entre o mundo e as pessoas, transformando-os em um pano de fundo em qual se inserem emoções” (2004, p.28). Ou seja, estes lugares devem estar em constante transformação, promovendo aprendizagens, sensações, interações entre aqueles que o ocupam, e ser pensados a partir das dimensões estética, funcional, técnica e das múltiplas linguagens.

O Projeto Político Pedagógico (PPP) é um dos instrumentos dos quais as escolas dispõem para garantir uma educação mais democrática e participativa. Segundo as Diretrizes Nacionais para a Educação Infantil (2010), este documento é plano orientador das ações da instituição e define as metas que se pretendem alcançar para a aprendizagem e o desenvolvimento das crianças. Ele é elaborado em um processo coletivo, com a participação da direção, dos professores e da comunidade escolar, e deve estar em constante movimento dentro do espaço escolar para que seja de conhecimento de todos.

O desenvolvimento de projetos pedagógicos pode surgir a partir do interesse das crianças, em resposta a proposta curricular ou objetivos da unidade educacional, da observação do educador (comunidade educativa) ou do interesse de um grupo específico, como a família, comunidade, professores ou crianças. A partir deles, é possível realizar uma reflexão sobre a realidade social; propiciar momentos de autonomia, liberdade, individualidade e sociabilidade; contribuir para uma ressignificação dos espaços de aprendizagem; além de formar sujeitos ativos, reflexivos, atuantes e participantes.

De acordo com o livro “Projeto Marista para a Educação Infantil”, publicado pela Província Marista do Brasil Centro – Sul e organizado por Marta Debortoli Moscheto e Ricardo Santos Chiquito, “o trabalho com projetos […] oferece amplos pretextos e contextos de conversas genuínas entre adultos e crianças, entre crianças e crianças, principalmente porque há conteúdo significativo para ser discutido. Essas conversas evocam o que estão aprendendo, planejando, pensando sobre as ideias que estão sendo desenvolvidas” (2007, p. 105).

Também neste encontro, iniciou-se a construção de um calendário municipal para cada escola, que envolve a programação de ações, oficinas e eventos, que poderão ser realizadas em 2016, além de uma matriz de avaliação sobre a utilização dos espaços que serão ressignificados, tendo como base o documento do Ministério da Educação “Indicadores de qualidade em Educação Infantil”, especialmente a dimensão 5, que trata sobre dimensão, espaços, materiais e mobiliários.

Confira como foram os encontros em cada um dos municípios.

Posts Relacionados