No dia 16 de novembro, educadores, crianças, membros da secretaria de educação de Cuiabá e equipe territoriar, se reuniram na Escola Municipal de Ensino Básico Profº Lenine de Campos Povoas para assistirem ao documentário “Territoriar: Ambientes Educativos inspiram novas aprendizagens” e realizarem um encontro do comitê multidisciplinar.

Lançamento do Documentário

O lançamento do documentário Territoriar foi marcado pela participação das crianças e professores. Após a exibição, algumas crianças relataram como foi ter participado do projeto e relembraram como era a escola e as transformações que ocorreram nos espaços.

Reunião de Comitê Multisciplinar

Professores, gestores e membros da Secretária de Educação se reuniram para repensar ações que aproximem a comunidade escolar e qualifiquem as relações da escola com o território. Durante o encontro foi revisto o documento de sustentabilidade – escrito durante primeira etapa do projeto com ações previstas após a finalização – e identificadas ações que estão sendo realizadas como continuidade do projeto. Foi possível conhecer o que a escola tem feito para promover o direito ao brincar, como exemplo; pinturas de jogos no chão do pátio e projetos para confecção de brinquedos. Também foram relatadas diversas ações onde há participação da comunidade escolar, fortalecendo assim o vínculo da escola com o território na qual se encontra.

O projeto de ressignificação na escola

Um dos ambientes escolhidos pelo comitê multidisciplinar desta escola a ser ressignificado foi o parque. O reconhecimento do direito ao brincar e a promoção de espaços para valorização da prática foi decisório para a escolha do local. Somado a isso, o fortalecimento da relação da criança com a natureza, podendo desfrutar de uma área verde disponível no local e ainda pouco explorada pela comunidade escolar, além da relação já estabelecida com o território foram itens relevantes para esta escolha dos ambientes.

Para que a ressignificação fosse viabilizada fez-se necessária a disponibilização de um local para implantação de um novo parque, pois o que estava ativo até então situava-se em um pequeno corredor fora da área de principal circulação, que não privilegiava o seu uso. O local que ofertava as necessidades elencadas, como espaço físico e área verde era totalmente ocupado por um estacionamento utilizado pelos profissionais da unidade escolar. Para que este espaço fosse ocupado pelo novo parque, além de um estudo acerca da legislação vigente sobre o número de vagas de estacionamento foi realizada a negociação entre funcionários, que, em comum acordo, definiram em diminuir a área para os veículos utilizando a área verde para o projeto.