Formações

O projeto Territoriar propõe a melhoria da qualidade da educação e a permanência escolar por meio da ressignificação dos espaços pedagógicos. Para isso, prevê em sua metodologia a constituição de um Comitê Multidisciplinar formado pelos diferentes atores da comunidade escolar para contribuir neste processo. A fim de potencializar esse direito de participação, o Comitê participará de momentos formativos, de pesquisas e de planejamento que permitam a reflexão sobre qual é a escola que esperam encontrar ao fim do projeto.

Os principais temas abordados serão:

Concepção de Criança e Família

A criança deve ser compreendida como sujeito de direitos, capaz de vivenciar, produzir e modificar as diferentes culturas, como um processo simbólico que dá sentido à sua existência. Uma das primeiras relações de pertencimento que a criança estabelece neste mundo é com a família. Por meio de laços sanguíneos ou afetivos, a família auxilia, media, estabelece vínculos e participa na construção de relações de solidariedade e compromisso na sociedade. A criança imagina, interage, expressa seus pensamentos e reflete sensações. Cada uma destas diferentes linguagens são modos de comunicar, organizar e identificar e devem ser consideradas no desenvolvimento integral da criança.

Projetos pedagógicos nos espaços educativos

O trabalho com projetos pedagógicos nos espaços educativos possibilita um diálogo mais amplo, coletivo e cooperativo entre as áreas de conhecimento e as realidades sociais.  É nessa relação que a função social da escola amplia seu sentido. Com a mediação de conhecimento dos educadores neste processo, as crianças têm a oportunidade de se apropriar e reinterpretar diferentes conteúdos, de acordo com os saberes dos seus pares.

Arquitetura escolar

A arquitetura escolar é uma área que atua na produção de projetos voltados para a construção de espaços e ambientes educativos de forma alinhada às especificidades e às propostas que esses espaços se destinam. Mais do que espaços físicos funcionais e concretos, a arquitetura da escola deve ser promotora da participação, da interação e da produção de cultura, de forma a potencializar as diferentes expressões, a autonomia e o desenvolvimento das linguagens para a produção de conhecimentos. O objetivo deste momento formativo é o de localizar a arquitetura numa perspectiva sócio-histórica, a fim de problematizar alguns modelos e paradigmas, propondo uma relação mais estreita entre o espaço físico, a produção de saberes e a criança.

O currículo para o espaçotempo interno e externo

O currículo é um conjunto de práticas pelo qual a escola se organiza, propõe caminhos e a orienta para a prática pedagógica. Entende-se o espaçotempo como uma organização social, em que espaço e tempo são indissociáveis, devendo estar presente no currículo da escola, uma vez que é promotor de situações de aprendizagens e comunica à criança como a escola é entendida e pensada. Por ser construído socialmente, o espaçotempo deve estar em constantes transformação.

Territórios educativos

A concepção de território engloba aspectos geográficos, estéticos e, em uma visão mais ampla, compreende ainda a relação dos sujeitos com os espaços que habitam. É dessa relação que surge a compreensão de Territórios Educativos, ou seja, ambientes externos à escola mas que também são inspiradores de novas aprendizagens e contemplam as diferentes linguagens, pois são expressão do tempo e da ação humana. É preciso entender a cidade como um território que educa, potencializa a criatividade, é palco das relações sociais, de afetividade, de poder e manifesta as várias identidades que singularizam cada canto das cidades. Portanto, é partindo das concepções e dos olhares que lançamos sobre as infâncias que tecemos reflexões e propostas acerca dos Territórios, em articulação com o Sistema de Garantia de Direitos: educação, cultura, saúde, esporte.

REFERÊNCIAS

Vídeos
  • A influência da arquitetura escolar no aprendizado:

https://www.youtube.com/watch?v=s9Yo7FC-6co

  • Novo gestor de pessoas:

https://www.youtube.com/watch?v=KezS2QxMajg

  • O olhar e a voz da criança nos projetos de Arquitetura:

https://www.youtube.com/watch?v=Gt2mb48RVK8

  • Por que não comemoramos o dia das mães na escola:

https://www.youtube.com/watch?v=ZQ77YuD88v8

  • Bairro-escola Rio Vermelho:

https://www.youtube.com/watch?v=zu8qOVfh734

  • Figuras de barbante: pé de galinha, flor, flecha e peixe:

https://www.youtube.com/watch?v=JR1r58kKJ3g

  • Formação Maringá – Jacaré Poiô:

https://www.youtube.com/watch?v=QVPrIrWZFCg

  • Tricilomelo (o tal do Tricilomelo):

https://www.youtube.com/watch?v=8AovTri3ZKo

  • A moda da Carrasquinha:

https://www.youtube.com/watch?v=5f9n2mrnsBc

BARBOSA, M.A e SOARES, N. P. Infância e território: algumas reflexões. In Rede Marista de Solidariedade. Educação Infantil: reflexões e práticas para a produção de sentidos – Curitiba: Champagnat, 2012. p. 263 – 271.

BARBOSA, M. C. S. Práticas Cotidianas na Educação Infantil – Bases para a reflexão sobre as orientações curriculares. Brasília, 2009.

BRASIL, DECRETO Nº 99.710, DE 21 DE NOVEMBRO DE 1990 – Convenção Direitos das Crianças e ratificada por Portugal em 21 de Setembro de 1990.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano Nacional pela Primeira Infância, Brasília 2010.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: meio ambiente, saúde. Brasília, 1997.

Brasil. [Plano Nacional de Educação - PNE]. Plano Nacional de Educação 2014-2024 [recurso eletrônico]: Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014, que aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. – Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2014.

Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica/ Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC. SEB, DICEI, 2013.

FARIA, A. B. G. Por outras referências no diálogo arquitetura e educação: na pesquisa, no ensino e na produção de espaços educativos escolares e urbanos. Em aberto, Brasília, v.25, n. 88, p. 99-111, jul./dez. 2012.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e. Terra, 1996.

FRIEDMANN, Adriana. Linguagens e culturas infantis. São Paulo. Editora Cortez, 2013.

HORN, M. G. S. Sabores, cores, sons, aromas: a construção do espaço na educação infantil - Porto Alegre: Artmed, 2004

KPWALTOWSKI, D. C. C. K. Arquitetura escolar: o projeto do ambiente de ensino.- São Paulo: Oficinas de textos, 2011.

MEC. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil/Secretaria da Educação Básica. Brasília, 2010.

MEC/SEB. Indicadores de Qualidade na Educação Infantil / Ministério da Educação/Secretaria da Educação Básica – Brasília, 2009.

MEC - Parâmetros básicos de Infraestrutura para instituições de educação infantil. Brasília: SEB, 2006.

MEC - Parâmetros Curriculares Nacionais : introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília : /SEF, 1997.

MEC - Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: /SEF, 1997.

NASCIMENTO, N. B. A cidade (re) criada pelas crianças – muitas cidades possíveis na cidade de São Paulo.  In, V. Trindade, N. Trindade & A.A. Candeias (Orgs.). A Unicidade do Conhecimento. Évora: Universidade de Évora.

NOGUEIRA, N. R. Pedagogia dos Projetos: etapas, papéis e atores. 4. ed. São Paulo: Érica, 2008

POUND L. Desenvolvimento da Prática Reflexiva na Educação Infantil, ed. Artmed. 2010.

REDE MARISTA DE SOLIDARIEDADE. Brincadiquê? Pelo direito ao brincar na escola. Curitiba. Editora Champagnat, 2014.

REDE MARISTA DE SOLIDARIEDADE. Brincadiquê? Pelo direito ao brincar. Curitiba. Editora Champagnat, 2014.

REDE MARISTA DE SOLIDARIEDADE. Projeto Marista para a Educação Infantil / [organizadores Marta Debortoli Moscheto, Ricardo Santos Chiquito; fotografia José Bassit, Ronaldo Ruffino]. São Paulo: FTD, 2007. (Coleção currículo em movimento; v. 2). P. 103 à 108

REDE MARISTA DE SOLIDARIEDADE. Projeto Marista para o Ensino Fundamental.- São Paulo: FTD, 2010.

REDE MARISTA DE SOLIDARIEDADE. Cores em composição na educação infantil/ Rede Marista de Solidariedade. 1a ed. – São Paulo: FTD, 2010.

REDE MARISTA DE SOLIDARIEDADE. Educação Infantil: reflexões e práticas para a produção de sentidos. Curitiba, PR: Champagnat, 2012.

REDE MARISTA DE SOLIDARIEDADE. Proposta socioeducativa: referenciais teóricos-metodológicos. – São Paulo: FTD, 2010.

Regimento de Escolas e Creches para a infância da comuna de Reggio Emília. Ed. Reggio Children. 2012.

RHEIGANTZ, P. A ...[et al.] Observando a qualidade do lugar: procedimentos para avaliação pós-ocupação Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Pós Graduação em Arquitetura, 2009.

SANTOS, M. Por uma Geografia Nova. São Paulo: Hucitec, Edusp, 1978.

SINGER, H. (org). Territórios educativos : experiências em diálogo com o Bairro-Escola / São Paulo : Moderna, 2015. — (Coleção territórios educativos ; v. 1).

Territórios Educativos para a Educação Integral. Serie Cadernos Pedagógicos. PDE. Mais Educação.

TONUCCI, F. Quando as crianças dizem: agora chega! Tradução Alba Olmi– Porto Alegre: Artmed, 2005

 

ARTIGOS:

GOULART, Beatriz. Por outras referências no diálogo arquitetura e educação, na pesquisa, no ensino e na produção de espaços educativos escolares e urbanos.

NASCIMENTO, Nayara Brettas. A cidade (re)criada por crianças: muitas cidades possíveis na cidade de São Paulo.

SARMENTO, Manoel Jacinto. Imaginário e cultura da infância.

SANTOS, Milton: concepções de geografia, espaço e território.

UNESC0. Um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre educação para o século XXI. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0010/001095/109590por.pdf

Acesso: 30 jul. 2015.

 

.