IMG_0138 Relatos Formativos

Territoriar inicia atividades com Seminário Aberto sobre educação, arquitetura e território

O início do Projeto ocorreu durante o mês de agosto e início de setembro, quando foram realizados os Seminários Abertos nos municípios. “Educação, arquitetura e território” foi o tema abordado e ministrado por Beatriz Goulart, arquiteta, urbanista e consultora do Ministério da Educação. Participaram destes momentos os gestores das escolas e das Secretarias Municipais de Educação, educadores, crianças, famílias e demais membros da comunidade escolar.

O diálogo entre arquitetura e educação, refletiu sobre a importância de aliar currículo, espaços escolares, professores, alunos e comunidade para a construção de uma escola mais integral, humana, aberta e participativa. “É necessário dar um passo a mais para desenhar parâmetros e padrões de arquitetura, engenharia e currículo educacionais que respeitem as especificidades de cada região. É nesse sentido que vejo a importância da arquitetura escolar como um dos pontos para se discutir e reinventar a educação brasileira”, afirma Beatriz.

De acordo com a coordenadora do Projeto, Sheila Pomilho, o Territoriar visa atender determinações do MEC sobre infraestrutura escolar. “Os conteúdos formativos selecionados para o Projeto embasam-se na experiência e no conhecimento sistematizado da Rede Marista de Solidariedade e também nas pesquisas de especialistas e nas Diretrizes do Plano Nacional Pela Primeira Infância (PNPI), nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), no Plano Nacional de Educação (PNE) – Meta 7 (Estratégia 18), na Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil (DCNEI), nos Artigos 13 e 31 da Convenção Internacional dos Direitos da Criança, nos Parâmetros Básicos de Infraestrutura da Educação Infantil e nos Indicadores de Qualidade da Educação Infantil,” comenta.

Uma das premissas do Projeto é considerar a participação de toda a comunidade escolar. Por isso, na mesma semana destes primeiros encontros, foram também realizadas atividades de escuta dos educandos e dos educadores das escolas participantes. As escutas foram mediadas pelos educadores do Projeto, que estimulam um espaço de colaboração e participação ativa onde todos podem expressar seus pontos de vista sobre qual escola querem construir ao longo do Projeto. Explícitas através de fala, escrita ou desenhos, os participantes contaram sobre o que mais gostam na escola e quais características podem ser aprimoradas. Todas as opiniões foram registradas e serão consideradas durante todo o desenvolvimento das ações.

Confira como foram os encontros em cada um dos municípios.

Posts Relacionados